REPRESENTAÇÃO COMO HONRA

Luíz Müller Blog

Reforma políticaPor Marcos Rolim no seu Blog

Não se faz reforma política por fatias, nem se pergunta ao povo sobre sistemas abstratos e engenharia institucional.

Democracia não é um abuso da estatística, é debate qualificado ou é manipulação. Reforma política exige uma assembleia de representantes eleitos para este fim específico, desafio imenso para o qual a disposição dos “donos do poder” (para lembrar o conceito de Raymundo Faoro) é nula.  Entre os que gostariam de produzir mudanças, por seu turno, há a dificuldade inicial de formulação de um conceito e, por decorrência, a tentação de discutir propostas no varejo sem se dar conta de que cada uma delas pressupõe um sistema.  Falar, por exemplo, em “recall”, o instituto pelo qual o eleitor pode “chamar de volta” o seu representante quando estiver insatisfeito com sua atuação, é simpático, mas só pode existir com o voto distrital.  O voto distrital, entretanto, é um…

Ver o post original 362 mais palavras

Anúncios

Sobre florencio1

um homem simples
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s